quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

"Cosméticos bio estão in!": artigo deveras interessante

A indústria cosmética está de baterias apontadas contra os parabenos, os silicones e as fragrâncias sintéticas. Em matéria de beleza, o que é natural deixou de ser só bom, para passar a ser melhor, pelo que a oferta de produtos biológicos não para de crescer. Mas atenção. Nem tudo o que se apresenta verde é ecológico. E nem tudo o que é verde é caro.
A inclusão de ingredientes naturais não basta para tornar um cosmético num produto isento de químicos, por aprenda a decifrar os rótulos.
Veja-se o caso dos parabenos. Não são exclusivos da indústria cosmética (estão também presentes em muitos alimentos) e têm uma função de preservação, cujos efeitos nocivos começaram a ser discutidos após algumas investigações científicas os relacionarem com o aparecimento de cancro da mama. Aliás, como os derivados do petróleo, cuja relação com o desenvolvimento de problemas oncológicos tem vindo a ser demonstrada.
Saiba que, na lista de ingredientes, aparecem geralmente no topo da legenda os que têm maior concentração. E quanto mais nomes em latim melhor, pois correspondem a ingredientes naturais. Ao ler os rótulos saiba que tocofenol é vitamina E, pantenol é vitamina B5, dióxido de titânio é um filtro solar e glicosideos são agentes de limpeza naturais.
Por outro lado, a certificação é uma garantia. Significa que uma instituição - como a Ecocert Greenlife - atesta a proveniência dos ingredientes e a veracidade das informações prestadas. Já são muitas as marcas bio, algumas delas com assinatura portuguesa.
Myeko, a surpresa nacional Chegar ao mercado e, passados quatro meses, ganhar um prémio pelo "design sofisticado e qualidade premium" não é certamente façanha para todos, e ainda menos esperado é por se tratar de marca portuguesa de cosmética. Mas foi exatamente isto que aconteceu com a Myeko, criada pelas irmãs Vera Teixeira e Patrícia von Hoesslin, com o objetivo de provar que "é possível produzir cosméticos biológicos de qualidade superior e com boa imagem, como a de luxo convencional", contam.
O reconhecimento obtido no Beauty Challenger Awards, em Paris, prova que estão no bom caminho. Como desmistifica Patrícia von Hoesslin, obstetra de formação, "os ingredientes naturais não obrigam à produção de um produto artesanal, que exclua o recurso às mais recentes tecnologias para potenciar o seu efeito benéfico".
No caso das duas gamas Myeko - uma para peles jovens e outra para peles maduras - os produtos não têm corantes nem fragrâncias sintéticas, além de serem dermatologicamente testados em pessoas e não em animais. As embalagens oferecem máxima proteção contra a contaminação externa e são recicláveis. A marca é certificada pela Ecocert Greenlife.
A tradição da L'Occitane Inspirada nas tradições da região da Provença, a marca desenvolveu-se assumindo como fonte a extraordinária variedade de plantas aromáticas da região e como filosofia o respeito pelo ambiente. Atualmente mantém uma parceria de desenvolvimento sustentável com as mulheres do Burkina Faso, comprando-lhes a manteiga de karité que produzem, segundo as regras do comércio justo.
As ervas da Gamila Secret A marca assenta num segredo, transportado durante gerações e tornado famoso por Gamila da Galileia, uma mulher drusa que aprendeu com a avó a fabricar um sabonete com 15 ervas selvagens, uma base de manteiga de karité e seis óleos vegetais puros, incluindo 80 por cento de azeite virgem extra. Outro produto, o Daily Herbal Oil Therapy é feito à base de óleos vegetais de amêndoas doces, lavanda e abacate, entre outros.
A força da astrologia na Alqvimia Fundada em 1984, leva a palavra natural a sério, com a particularidade de só realizar colheitas no período astrológico julgado mais favorável, para potenciar as qualidades das essências das flores e plantas usadas nos seus cosméticos.
As grainhas da Caudalie Impossível citar a marca sem nos lembrarmos das uvas, já que o sucesso dos seus produtos - extensível ao dos seus Spas - assenta na descoberta do poder antioxidante dos polifenóis existentes nas grainhas desta fruta. Mas não só. Nascida na região dos vinhos Bordeaux, em França, segundo a filosofia (e o saber) da Caudalie, não há nada que fique por aproveitar numa vinha.
A descoberta da Burts Bees Burt Shavitz era fotojornalista e desejava apenas viver em comunhão com a natureza quando, nos anos 80, deixou Nova Iorque para se fixar no Maine. Transformou-se então em apicultor, mas as abelhas haviam de lhe mudar a vida quando descobriu o potencial da cera por elas produzida. Começou pelos sabonetes e depois o bálsamo para os lábios que passou a ser o produto estrela, entre outros.
O poder da Yes to Carrots Com fórmulas certificadas pela National Organic Certification, a marca tem como ingredientes principais a fruta e vegetais orgânicos, além de lama e minerais do Mar Morto.
Mama Mio das celebridades Sem parabenos, petrolatum, sulfatos e fragrâncias sintéticas, a Mama Mio nasceu a pensar nas necessidades específicas das grávidas e tem feito sucesso junto de celebridades como Gwyneth Paltrow e Victoria Beckham. Também tem produtos para os cuidados básicos diários. Em Portugal, só está à venda no lisboeta Spatitude.
Sanoflore Por uma beleza saudável e responsável é o lema da marca, que, além dos cosméticos, disponibiliza vários óleos essenciais cem por cento puros. Os produtos são certificados pelo Ecocert.


Publicado na Revista Única de 4 de Dezembro de 2010

Sem comentários: